Saturday, 31 January 2009

Thursday, 29 January 2009

Old Stories.

Cornwall

Old hotels with old stories. The building showing the battering of the sea wind. A school in WWII. The room floor and its gentle slope. The small ballroom - a quiz, an old man covered in tatoos, ABBA songs by two enthusiastic ladies properly dressed in a 70's outfit. A single malt and those colourful stairs.

Porque é que eu hei-de voltar a fazer sempre estas coisas?




You're Pale Fire!

by Vladimir Nabokov

You're really into poetry and the interpretation thereof. Along the
road of life, you have had several identity crises which make it very unclear who you
are, let alone how to interpret poetry. You probably came from a foreign country, but
then again you seem foreign to everyone in ways unrelated to immigration. Most people
think you're quite funny, but maybe you're just sick. Talking to you ends up being much
like playing a round of the popular board game Clue.



Take the Book Quiz
at the Blue Pyramid.

Monday, 26 January 2009

Saturday, 24 January 2009

Wow again

Este continua a ser o encanto de um mundo que só impossivelmente poderia existir. A imagem clara do que nunca foi e nunca poderá ser. E já me passaram mais de 20 anos por cima. Ainda bem, digo eu.

Wow

This is simply fabulous.

Road Trip

Somewhere in Wales.

(Saudades de não saber onde vou parar.)

Wednesday, 21 January 2009

This is England (IV)

A Inglaterra (o Reino Unido, para esse efeito) não é um país de coisas grandiosas. Não tem o Grand Canyon, não tem a Torre Eiffel, nada disso. O Reino Unido é um país de coisas pequeninas, dos pequenos rios de àgua fria em Gales, das curvas sinuosas do Tamisa antes de chegar a Londres, daquele pequeno "tea parlor" mesmo em frente à casa onde a Jane Austen viveu.

O Reino Unido não é de grandes coisas, é de grandes feitos.

Blenheim Palace Grounds, Woodstock, Oxfordshire

Enfiar o Barrete.

Então aquilo foi tudo obra de um checo muito criativo?! Só serve para confirmar o meu 'rant' sobre o coiso.

Coisas boas.

Ter uma maquineta com muitos gigas (!!) significa que se criam recantos na maquineta e depois nem sempre passamos por lá. Pôr a maquineta em shuffle significa que se pode passar de Dead Can Dance para Bach e depois para Magnetic Fields, e isso sabe bem.

Friday, 16 January 2009

Thursday, 15 January 2009

Coisas da UE, Coisas de Portugal.

A Presidência Checa da União Europeia encomendou um conjunto de trabalhos a escultores da 'região' para decorar (porque é de simples decoração que se trata) este período de pseudo-governo da União. Há trabalhos que se 'agarram' ao cliché, alguns com muita piada - veja-se o caso francês - e depois há outros. Achei muito interessante a participação do Reino Unido e achei triste a participação portuguesa.

O interesse da participação britânica está no facto de não ter participado. E não são necessários mais comentários aqui.

A tristeza da participação portuguesa (ver as páginas 42 e 43 disto) está no facto de ter trazido para o trabalho um tema que é absurdo no contexto e olha para trás - para culpas e responsabilidades antigas - e só me lembra a porcaria do fado dos coitadinhos que este país teima em adoptar como verdadeiro hino nacional.

'Pois não, pois não'. Portugal é um país onde se diz muito 'Pois não.', de forma hesitante, envergonhada, e com um encolher de ombros.

Portugal irrita-me.

This is...

... a good idea.

Greenwich, London

Tuesday, 13 January 2009

This is France (are you really really sure?)


Thanks to my good mate Alex I recently read a book (supposedly) about the French. Many of the ideas and comments on the book were somewhat familiar to me, and I realized that the book I read* was also a book about the Portuguese, if only they were really posh. Yep.

(*sometimes I just have to make a parenthesis - here it is.)

Tuesday, 6 January 2009

Monday, 5 January 2009

Da Orig(inalidade) das Espécies.

Entre mais uma ou duas descrições (todas iguais, em todos os canais de notícias) do que está a acontecer naquele bocado de terra que separa o sul de Israel do mar, vem-me à TV uma reportagem sobre a abertura do Museu da Criação. Depois da minha primeira reacção (a habitual, a típica reacção Dawkinsiana ), lembrei-me de um diálogo no Contacto entre a rapariga cientista e o teólogo, quando ele refere que algo como mais de 90% da humanidade acredita no divino. Depois lembrei-me do Povo (que me irrita), e retomei as minhas ideias habituais.